Jornada dos Acessórios

Ana Duque +

ENTENDA COMO A SUA PEÇA FOI CONFECCIONADA:

A Ana Duque nasceu com uma proposta arrojada: ser uma marca que olha para a moda como manifestação cultural e não como indústria. Nosso objetivo é apresentar e homenagear, a cada coleção, uma cultura; é contar a histórias de pessoas; é materializar estilos de vida e de arte diversos. Na nossa essência está o slow fashion; o trabalho manual e artesanal; a responsabilidade com todos os colaboradores e com as culturas e histórias que nos inspiram.

A peça que chegou até você é o resultado de uma engrenagem que envolve profissionais diversos, todos motivados a desenvolver seu trabalho da melhor forma. Conheça o nosso fazer:

| 1. ETAPA |

A ideia para a coleção Place of Freedom surgiu da vontade de Ana Beatriz (designer) de usar a moda como ferramenta de expressão. Seu objetivo não era criar peças comuns que encontramos em outras marcas. Ela queria criar roupas inovadoras e vanguardistas, roupas que não só vestem como comunicam.

Foi então que decidiu usar formas geométricas abstratas e desenhos de corpos femininos para falar sobre o uso da moda como ferramenta de libertação. Passado e presente se encontram para criar um futuro estético que não cria padrões e que permite.

Nesta primeira etapa, Ana Beatriz faz uma coletânea de referências visuais e de amostras de tecido e monta um moodboard com tudo que ela imagina para coleção. A partir dessa visão macro ela desenha os modelos e as estampas.

| 2. ETAPA |

Ana Beatriz conhecia há algum tempo a Associação dos Artesãos de Coqueiro Buriti, localizada na comunidade rural do Município de Turmalina, no Vale do Jequitinhonha. O desejo de trabalhar com essas mulheres era antigo e a oportunidade perfeita era a Place of Freedom!

Assim, Ana mergulhou no trabalho dessas artistas e aos, todas juntas, as ideias foram ganhando forma e cor. Para a coleção, foram idealizados alguns acessórios: 2 modelos de colares, 2 modelos de vasos e 1 xícara. As peças seguem a ideia de exaltar o corpo feminino enquanto representação de força e liberdade.

| 3. ETAPA |

Todas as peças possuem como matéria prima o barro que vem da Cachoeira do Fanado no Município de Minas Novas. As artesãs fazem um molde próprio para cada estilo de peça diferente. Por exemplo, o molde do vaso Deuzani foi feito no corpo delas mesmas; já o vaso Conceição, a xícara Gicielle e os dois colares foram desenhados e moldados a mão.

Depois de moldar o barro, as artesãs levam a peça ao forno a lenha. Em seguida, mas ainda no molde, a peça fica descansando e esfriando naturalmente, em um processo que leva de 3 a 4 dias, a depender do clima.

Para ganhar as cores finais, os acessórios são pintados com penas de galinha. As tintas utilizadas são naturais e compradas prontas. Após a pintura, as peças vão para o forno novamente para fazer a queima do barro com as tintas e, assim, as cores serem fixadas. Ficam queimando por um período de 8 horas no forno a lenha, mas só são retirados de lá 24 horas depois, quando atingem a temperatura ambiente.

DE GERAÇÃO

A Deuzani Gomes (à direita) é a artesã principal. Ela aprendeu o ofício com a mãe Izabel Lopes Alecrim, que tem hoje 96 anos, e assim Deuzani passou para as filhas, como a Ana Clara, na foto.

Sobre a loja

A Ana Duque + foi criada pensando em uma moda mais responsável e sustentável. Aqui, priorizamos o slow fashion, nossos processos de produção são manuais e naturais.Optamos pelo tingimento natural das peças, respeitando o tempo e as cores de modo responsável. Buscamos inspiração ao redor do mundo e desenvolvemos coleções atemporais, seguindo a tendência do conforto e bem-estar. Acreditamos que é possível uma moda global e criativa e ao mesmo tempo responsável.

Social
Pague com
  • Pagar.me V2
Selos
  • Site Seguro

ANA BEATRIZ FERNANDES DUQUE EIRELI - CNPJ: 35.099.824/0001-45 © Todos os direitos reservados. 2021

Logomarca MyEshop

A nossa coleção de estreia, intitulada Zazil - que em maia significa “transparência de espírito, luz e claridade”, faz uma homenagem aos antigos povos maias e à região de Tulum, no México. Reverenciamos aqui sua cultura, seus costumes e seus avanços.

As cores do calendário maia serviram como ponto de partida para a criação das peças e, em especial, para as padronagens que foram bordadas nas jaquetas jeans. Além das jaquetas, a coleção conta com peças fluídas, leves, perfeitas para quem gosta de conforto, mas preza por design.

As roupas foram desenvolvidas a partir de trabalho manual e artesanal, por isso possuem tiragem limitada. O grupo de tecelãs Mulheres do Jequitinhonha (@mulheresdojequitinhonha) tingiu de forma natural as peças, utilizando sementes e cascas de árvores típicas da região de Minas Gerais. Os bordados das jaquetas, feitos à mão, são trabalho de Guilherme e Urbano, artistas artesãos também mineiros.